Papa-Capim: Noite Branca ePUB ß Papa-Capim: Noite

Papa-Capim: Noite Branca ePUB ß Papa-Capim: Noite


  • Hardcover
  • 82 pages
  • Papa-Capim: Noite Branca
  • Marcela Godoy
  • Portuguese
  • 11 January 2014
  • 9788542603729

10 thoughts on “Papa-Capim: Noite Branca

  1. Mauricio Simões Mauricio Simões says:

    Terror silvícolaPapa Capim é um indiozinho pataxó ue nas Hs de Mauricio de Sousa nunca representou muita coisa pra mim Nem seuer diversão Histórias eco xaropes ue confesso muitas vezes eu até pulava Mais maçante ue o Bidu conversando com a Dona Pedra Com a hercúlea missão de deixar a indiarada mais interessante a roteirista Marcela Godoy e o ilustrador Renato Guedes se uniram para fazer uma história de terror Hummmm Como assim?OK Já sei ue não seria fácil Pois no mínimo precisaria manter a chata essência de Papa Capim e sua turma criados originalmente no começo dos anos 60 Nauela época a uestão das terras indígenas era muito forte e arrisco dizer ainda pertinente Passadas décadas com índios urbanizados e descaracterizados o glamour de outrora desapareceu De ualuer forma achei o desafio válido e em linhas gerais eles conseguiram cumpri lo Na história a tribo de Papa Capim Cafuné e Jurema é atacada por espíritos zumbis canibais vampiros Pois é mas vamos lá A trama é meio confusa o ue era pra ser terror não assusta muito menos empolga Os monstros da noite branca não tem originalidade e seguem um roteiro muitíssimo previsível A roteirista é dedicada e fez um ótimo trabalho de pesuisa mas senti falta de suspense e de um fator surpresa Tentaram inserir um clima sombrio com o uso das cores escuras mas passaram longe de um “Wytches” de Scott Snider por exemplo Papa Capim ganhou poderes sobre a natureza ue me remeteram a algo bizarro entre o Auaman e o Fauno do LabirintoGostei muito das ilustrações realistas de Renato Guedes fazendo com ue a nova concepção dos personagens se afastasse bastante do traço infantil dos originais Isso não é problema pois a releitura atualizada exige algumas mudanças sejam sutis ou mais radicais O traço é muito bom mas achei ue a colorização não foi bem feita em alguns uadros e páginas A diagramação em Papa Capim Noite Branca é moderna e muito dinâmica de modo ue encobre defeitos na arte sobrepõe a fraueza do roteiro e faz com ue a média geral suba bastante considerando ue os autores beberam na fonte de filmes de terror trash A propósito lembrei de um uma bomba ue pode tê los inspirado “The Green Inferno” “Canibais” em português de 2013 dirigido por Eli Roth conhecido por dirigir “O Albergue” e pela codireção com uentin Tarantino de “Bastardos Inglórios”Nota do livro 712 4 estrelas


  2. Jana Bianchi Jana Bianchi says:

    Meh Achei o volume mais frauinho da coleção Graphics MSP O desenho é muito bonito mas é bem comunzão curto mais uando os traços são mais particulares como nos outros volumes da coleção exceto os do Astronauta ue também têm esse traço mais parecido com H clássica Mas o ue mais me incomodou foi o roteiroambientação Na realidade o ue mais me incomodou MESMO foram os diálogos ue na minha humilde opinião têm ZERO verossimilhança Claro ue não precisava ter usado dialetos indígena nem nada mas os diálogos estão muito ocidentalizados se estivesse só lendo a história eu jamais adivinharia ue os personagens são indiozinhos Além disso o ue eu acho ue é ainda pior as atitudes dos índios também são muito falsas baseados na nossa cultura e na nossa lógica Por último achei a história MEGA clichê típica jornada d'O Escolhido Mas tem coisas boas sim há umas referências bem interessantes no meio da história a premissa em si é bem legal mistura a lenda do vampiro com um mito indígena e o fim traz um pedaço de um depoimento de Davi Ianomami ue faz a página inteira ser bem bonita e filosófica Enfim não é ruim não por isso ue a nota fica em três estrelas e não menos Mas tinha altas expectativas Observação tô devendo muito resenhar as outras Hs da Graphics MSP mas a princípio estou mais preocupada em resenhar conforme leio Depois prometo ue volto para os passivos


  3. Raquel Melo Raquel Melo says:

    Adorei Uma história de horror e magia Sem dizer a forma como acontece o desenrolar e a arte Me surpreendeu porue eu esperava uma coisa mais simples


  4. Cristiano Carneiro Cristiano Carneiro says:

    Gostei muito do roteiro mas a arte me incomodou


  5. Marcos Kopschitz Marcos Kopschitz says:

    Mais um excelente álbum o 11º o mais recente e o primeiro de 2016 do selo “Graphic MSP” ou seja graphic novels dos Estúdios Maurício de Sousa Embora haja na coleção muitos outros de extraordinária ualidade em ue não é feita uma revisão gráfica e conceitual tão forte os ue me atraem mais são aueles em ue esta ocorre de maneira mais radicalComo é o caso deste álbum do Papa capim de Marcela Godoy e Renato Guedes ue vão fundo na reinterpretação dos personagens clássicos assim como já inventaram de fazer vários autores incluindo o próprio Maurício de Sousa mesmo antes da atual série e Uderzo e Goscinny com Asterix por exemplo Vou ter de pesuisar muito antes de poder falar deles com propriedade mas por ora basta dizer ue Guedes é outro artista brasileiro com passagem significativa pela Marvel e pela DC Roteiro e arte fora do comum e um álbum muito mas muito bom E tiro da apresentação de Maurício “ a pesuisa ue essa moça realizou e a forma como inseriu cultura e mitologia indígenas na trama mostram ue ela é uma grande contadora de história”Ao final os “Extras” ue são um destaue em toda a série com estudos de personagens e de capas um passo a passo das etapas do desenho e finalização de uma página e informações sobre os personagens originais com reproduções de antigas tiras incluindo a primeira de 1963 e ainda informações sobre os autoresAs publicações da série Graphic MSPVolumes 11 em diante11 Papa capim Noite Branca de Marcela Godoy e Renato Guedes abril2016 R 12 Mônica – Força de Bianca Pinheiro agosto 2016 R 13 Bidu Juntos de Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho novembro 2016 R 14 Astronauta Assimetria de Danilo Beyruth janeiro 2017 R 15 Chico Bento Arvorada de Orlandeli abril 2017 R 16 Capitão Feio – Identidade de Magno Costa e Marcelo Costa agosto 2017 R 17 Turma da Mônica Lembranças de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi dezembro 2017 Veja os volumes de 1 a 10 aui1 Astronauta Magnetar de Danilo Beyruth outubro 2012 R R – Álbuns já resenhados por mim


  6. Cristina Cristina says:

    colecção têm aproveitado as personagens conhecidas dos “uadrinhos” Maurício de Sousa para as fazer viver aventuras bastante diferentes das tradicionais Neste caso trata se de Papa capim um índio jovem um futuro grande guerreiro ue ainda não é reconhecido como taluando um grupo de monstros pálidos começa a atacar várias aldeias e os sobreviventes chegam à aldeia de Papa capim este jovem índio começa a ter sonhos premonitórios de ue algo irá acontecer brevemente – algo semelhante ao ue ocorreu nas restantes aldeiasDado o seu baixo estatuto na tribo os seus sonhos são descurados e banalizados Felizmente alguns dos seus amigos ficam alerta e afastam se da aldeia nessa noite Também Papa capim irá estar atento e assim ajudar a enfrentar os monstros ue ameaçam a triboPegando na mitologia local os autores desenvolvem uma história de horror ue pode ter uma interpretação metafórica Um grande mal assola as várias tribos exterminando as uma a uma e convertendo os elementos em novos monstros – assim aumentam as hordas ameaçadoras ue corrompem tudo à sua passagemVisualmente agradável Noite agradável proporciona uma leitura agradável carregada de elementos sobrenaturais num cenário onde se lida comummente com espíritos e premonições vistos como sendo parte da natureza e do euilíbrio com o passado e o futuro


  7. Leticia Leticia says:

    Uma história de horror ue não me deu medo mas talvez eu tenha visto filmes de terror demais na vida Ou talvez seja porue não é uma história surpreendente mas o horror não precisa surpreender Histórias de monstros são mais antigas ue a civilização humana e a Marcela Godoy deixa bem claro ue sabe disso citando mitologia tupi guarani e adicionando seus detalhes sempre com muito respeito aos personagens e sua cultura Além disso é um ótimo monstro e isso sempre conta para esse tipo de históriaEntre o ritmo do roteiro e a fluidez da arte eu tenho pena de dizer ue li a H inteira em alguns minutos Pena porue a arte do Renato Guedes é fantástica com uma narrativa fácil de ler ue faz parecer fácil costurar uma história com tantos personagens Se algo deixa a desejar seriam as cores Nada ue estrague a H mas alguns painéis ficaram confusos com a luz muito difusa para saber o ue é frente e o ue é fundo mas isso também pode ser só os meus olhosNo geral uma boa H e uma abordagem muito interessante do Papa capim ue eu gostaria de ver retornar


  8. Apoptoses Apoptoses says:

    É impossível não ler essa graphic novel sem ser muito afetado pelas diferentes camadas da história ue Marcela Godoy trouxe nos desenhos de Renato Guedes Confesso ue ser antropólogo ajudou e muito a dar novas camadas a história e relembrar uma série de uestões ue aparecem de maneira tão sutil nessa GNDesde a opção narrativa até a citação do Davi Kopenawa Yanomami ao final da GN tudo é feito com extremo cuidado e com uma potência surpreendente Estava com muito medo dessa GN por toda a minha relação com a Antropologia e a possibilidade dessa nova história sobre o Papa capim de ser uma má história sobre os povos originais do Brasil ela foi a última ue li de toda a coleção lançada até aui Mas a surpresa foi positiva e estou apaixonado pela GNVirou uma favorita da coleção 3


  9. Marcus Vinicius Marcus Vinicius says:

    Uma estória muito boa ue envolve parte da nossa cultura indígena Arte única e diferenciada muito bonitaMASÉ uma estória ue funcionaria exatamente igual se fossem tirados os personagens do Maurício de Sousa O Papa Capim ou o Cafuné são meros acessórios da narrativa não há ualuer aspecto nostálgico ou ue nos remeta aos uadrinhos da nossa infância Eles são apenas um pretexto para o uadrinho ser considerado Graphic MSPEmbora outros discordem o ue me faz comprar as GN da Graphic MSP é o toue nostálgico e as lembranças da minha infânciaGosto das releituras e inserções de novos elementos mas neste caso são personagens ue não carregam nenhuma bagagem dos gibis e isso me incomodou


  10. May May says:

    eu gostei da história a arte me incomodou em alguns momentos porue as coisas ficaram meio confusas mas é uma arte ue combina bem com a história ue também dá uma confusãozinha às vezes o uso de citações foi legal mas meio ue fora da história não conversaram muito só foram colocadas ali


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Papa-Capim: Noite Branca➹ [Read] ➵ Papa-Capim: Noite Branca By Marcela Godoy ➼ – Capitalsoftworks.co.uk Uma ameaça sobrenatural pode significar o fim de todos os membros da aldeia de Papa Capim E o jovem índio tem não só a difícil missão de detê la mas também de convencer o pajé de ue foi o esc Uma ameaça sobrenatural pode significar o fim de todos os membros da aldeia de Papa Capim E o jovem índio tem não só a difícil missão de detê la mas também de convencer o pajé de ue foi o escolhido para essa tarefa Em Noite Branca a roteirista Marcela Godoy insere o conhecido personagem indígena de Mauricio de Sousa numa trama tensa e surpreendente Tudo no belo traço realista do artista Renato Guedes.

10 thoughts on “Papa-Capim: Noite Branca

  1. Mauricio Simões Mauricio Simões says:

    Terror silvícolaPapa Capim é um indiozinho pataxó ue nas Hs de Mauricio de Sousa nunca representou muita coisa pra mim Nem seuer diversão Histórias eco xaropes ue confesso muitas vezes eu até pulava Mais maçante ue o Bidu conversando com a Dona Pedra Com a hercúlea missão de deixar a indiarada mais interessante a roteirista Marcela Godoy e o ilustrador Renato Guedes se uniram para fazer uma história de terror Hummmm Como assim?OK Já sei ue não seria fácil Pois no mínimo precisaria manter a chata essência de Papa Capim e sua turma criados originalmente no começo dos anos 60 Nauela época a uestão das terras indígenas era muito forte e arrisco dizer ainda pertinente Passadas décadas com índios urbanizados e descaracterizados o glamour de outrora desapareceu De ualuer forma achei o desafio válido e em linhas gerais eles conseguiram cumpri lo Na história a tribo de Papa Capim Cafuné e Jurema é atacada por espíritos zumbis canibais vampiros Pois é mas vamos lá A trama é meio confusa o ue era pra ser terror não assusta muito menos empolga Os monstros da noite branca não tem originalidade e seguem um roteiro muitíssimo previsível A roteirista é dedicada e fez um ótimo trabalho de pesuisa mas senti falta de suspense e de um fator surpresa Tentaram inserir um clima sombrio com o uso das cores escuras mas passaram longe de um “Wytches” de Scott Snider por exemplo Papa Capim ganhou poderes sobre a natureza ue me remeteram a algo bizarro entre o Auaman e o Fauno do LabirintoGostei muito das ilustrações realistas de Renato Guedes fazendo com ue a nova concepção dos personagens se afastasse bastante do traço infantil dos originais Isso não é problema pois a releitura atualizada exige algumas mudanças sejam sutis ou mais radicais O traço é muito bom mas achei ue a colorização não foi bem feita em alguns uadros e páginas A diagramação em Papa Capim Noite Branca é moderna e muito dinâmica de modo ue encobre defeitos na arte sobrepõe a fraueza do roteiro e faz com ue a média geral suba bastante considerando ue os autores beberam na fonte de filmes de terror trash A propósito lembrei de um uma bomba ue pode tê los inspirado “The Green Inferno” “Canibais” em português de 2013 dirigido por Eli Roth conhecido por dirigir “O Albergue” e pela codireção com uentin Tarantino de “Bastardos Inglórios”Nota do livro 712 4 estrelas

  2. Jana Bianchi Jana Bianchi says:

    Meh Achei o volume mais frauinho da coleção Graphics MSP O desenho é muito bonito mas é bem comunzão curto mais uando os traços são mais particulares como nos outros volumes da coleção exceto os do Astronauta ue também têm esse traço mais parecido com H clássica Mas o ue mais me incomodou foi o roteiroambientação Na realidade o ue mais me incomodou MESMO foram os diálogos ue na minha humilde opinião têm ZERO verossimilhança Claro ue não precisava ter usado dialetos indígena nem nada mas os diálogos estão muito ocidentalizados se estivesse só lendo a história eu jamais adivinharia ue os personagens são indiozinhos Além disso o ue eu acho ue é ainda pior as atitudes dos índios também são muito falsas baseados na nossa cultura e na nossa lógica Por último achei a história MEGA clichê típica jornada d'O Escolhido Mas tem coisas boas sim há umas referências bem interessantes no meio da história a premissa em si é bem legal mistura a lenda do vampiro com um mito indígena e o fim traz um pedaço de um depoimento de Davi Ianomami ue faz a página inteira ser bem bonita e filosófica Enfim não é ruim não por isso ue a nota fica em três estrelas e não menos Mas tinha altas expectativas Observação tô devendo muito resenhar as outras Hs da Graphics MSP mas a princípio estou mais preocupada em resenhar conforme leio Depois prometo ue volto para os passivos

  3. Raquel Melo Raquel Melo says:

    Adorei Uma história de horror e magia Sem dizer a forma como acontece o desenrolar e a arte Me surpreendeu porue eu esperava uma coisa mais simples

  4. Cristiano Carneiro Cristiano Carneiro says:

    Gostei muito do roteiro mas a arte me incomodou

  5. Marcos Kopschitz Marcos Kopschitz says:

    Mais um excelente álbum o 11º o mais recente e o primeiro de 2016 do selo “Graphic MSP” ou seja graphic novels dos Estúdios Maurício de Sousa Embora haja na coleção muitos outros de extraordinária ualidade em ue não é feita uma revisão gráfica e conceitual tão forte os ue me atraem mais são aueles em ue esta ocorre de maneira mais radicalComo é o caso deste álbum do Papa capim de Marcela Godoy e Renato Guedes ue vão fundo na reinterpretação dos personagens clássicos assim como já inventaram de fazer vários autores incluindo o próprio Maurício de Sousa mesmo antes da atual série e Uderzo e Goscinny com Asterix por exemplo Vou ter de pesuisar muito antes de poder falar deles com propriedade mas por ora basta dizer ue Guedes é outro artista brasileiro com passagem significativa pela Marvel e pela DC Roteiro e arte fora do comum e um álbum muito mas muito bom E tiro da apresentação de Maurício “ a pesuisa ue essa moça realizou e a forma como inseriu cultura e mitologia indígenas na trama mostram ue ela é uma grande contadora de história”Ao final os “Extras” ue são um destaue em toda a série com estudos de personagens e de capas um passo a passo das etapas do desenho e finalização de uma página e informações sobre os personagens originais com reproduções de antigas tiras incluindo a primeira de 1963 e ainda informações sobre os autoresAs publicações da série Graphic MSPVolumes 11 em diante11 Papa capim Noite Branca de Marcela Godoy e Renato Guedes abril2016 R 12 Mônica – Força de Bianca Pinheiro agosto 2016 R 13 Bidu Juntos de Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho novembro 2016 R 14 Astronauta Assimetria de Danilo Beyruth janeiro 2017 R 15 Chico Bento Arvorada de Orlandeli abril 2017 R 16 Capitão Feio – Identidade de Magno Costa e Marcelo Costa agosto 2017 R 17 Turma da Mônica Lembranças de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi dezembro 2017 Veja os volumes de 1 a 10 aui1 Astronauta Magnetar de Danilo Beyruth outubro 2012 R R – Álbuns já resenhados por mim

  6. Cristina Cristina says:

    colecção têm aproveitado as personagens conhecidas dos “uadrinhos” Maurício de Sousa para as fazer viver aventuras bastante diferentes das tradicionais Neste caso trata se de Papa capim um índio jovem um futuro grande guerreiro ue ainda não é reconhecido como taluando um grupo de monstros pálidos começa a atacar várias aldeias e os sobreviventes chegam à aldeia de Papa capim este jovem índio começa a ter sonhos premonitórios de ue algo irá acontecer brevemente – algo semelhante ao ue ocorreu nas restantes aldeiasDado o seu baixo estatuto na tribo os seus sonhos são descurados e banalizados Felizmente alguns dos seus amigos ficam alerta e afastam se da aldeia nessa noite Também Papa capim irá estar atento e assim ajudar a enfrentar os monstros ue ameaçam a triboPegando na mitologia local os autores desenvolvem uma história de horror ue pode ter uma interpretação metafórica Um grande mal assola as várias tribos exterminando as uma a uma e convertendo os elementos em novos monstros – assim aumentam as hordas ameaçadoras ue corrompem tudo à sua passagemVisualmente agradável Noite agradável proporciona uma leitura agradável carregada de elementos sobrenaturais num cenário onde se lida comummente com espíritos e premonições vistos como sendo parte da natureza e do euilíbrio com o passado e o futuro

  7. Leticia Leticia says:

    Uma história de horror ue não me deu medo mas talvez eu tenha visto filmes de terror demais na vida Ou talvez seja porue não é uma história surpreendente mas o horror não precisa surpreender Histórias de monstros são mais antigas ue a civilização humana e a Marcela Godoy deixa bem claro ue sabe disso citando mitologia tupi guarani e adicionando seus detalhes sempre com muito respeito aos personagens e sua cultura Além disso é um ótimo monstro e isso sempre conta para esse tipo de históriaEntre o ritmo do roteiro e a fluidez da arte eu tenho pena de dizer ue li a H inteira em alguns minutos Pena porue a arte do Renato Guedes é fantástica com uma narrativa fácil de ler ue faz parecer fácil costurar uma história com tantos personagens Se algo deixa a desejar seriam as cores Nada ue estrague a H mas alguns painéis ficaram confusos com a luz muito difusa para saber o ue é frente e o ue é fundo mas isso também pode ser só os meus olhosNo geral uma boa H e uma abordagem muito interessante do Papa capim ue eu gostaria de ver retornar

  8. Apoptoses Apoptoses says:

    É impossível não ler essa graphic novel sem ser muito afetado pelas diferentes camadas da história ue Marcela Godoy trouxe nos desenhos de Renato Guedes Confesso ue ser antropólogo ajudou e muito a dar novas camadas a história e relembrar uma série de uestões ue aparecem de maneira tão sutil nessa GNDesde a opção narrativa até a citação do Davi Kopenawa Yanomami ao final da GN tudo é feito com extremo cuidado e com uma potência surpreendente Estava com muito medo dessa GN por toda a minha relação com a Antropologia e a possibilidade dessa nova história sobre o Papa capim de ser uma má história sobre os povos originais do Brasil ela foi a última ue li de toda a coleção lançada até aui Mas a surpresa foi positiva e estou apaixonado pela GNVirou uma favorita da coleção 3

  9. Marcus Vinicius Marcus Vinicius says:

    Uma estória muito boa ue envolve parte da nossa cultura indígena Arte única e diferenciada muito bonitaMASÉ uma estória ue funcionaria exatamente igual se fossem tirados os personagens do Maurício de Sousa O Papa Capim ou o Cafuné são meros acessórios da narrativa não há ualuer aspecto nostálgico ou ue nos remeta aos uadrinhos da nossa infância Eles são apenas um pretexto para o uadrinho ser considerado Graphic MSPEmbora outros discordem o ue me faz comprar as GN da Graphic MSP é o toue nostálgico e as lembranças da minha infânciaGosto das releituras e inserções de novos elementos mas neste caso são personagens ue não carregam nenhuma bagagem dos gibis e isso me incomodou

  10. May May says:

    eu gostei da história a arte me incomodou em alguns momentos porue as coisas ficaram meio confusas mas é uma arte ue combina bem com a história ue também dá uma confusãozinha às vezes o uso de citações foi legal mas meio ue fora da história não conversaram muito só foram colocadas ali

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *